Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jesus Chamou por mim !

Jesus Chamou por mim !

“Unfairy Tales” - Contos que não são de fadas

maxresdefault.jpg

O meu Henrique de 4 anos quando viu esta fotografia pensava que era o "Ruca", o Rodrigo de 7 anos quando viu o video abaixo, pediu para não ver mais senão ia ter pesadelos de noite. Mas a realidade das crianças que têm vivido as consequências da guerra na Síria é realmente cruel e nenhuma criança merece ver tanta desgraça, quanto mais viver estes episódios.

 

 

Agora imaginem o que era a guerra chegar até nós e aos nossos filhos, como é que íamos encarar esta situação? Estaríamos preparados para enfrentar sozinhos uma situação destas?

 

Não! Não estaríamos por certo e da forma que vivemos em cada um só pensa nele próprio seria difícil enfrentar tantas dificuldades. 

Se ao menos estivéssemos habituados a partilhar, a pedir ajuda, a ajudar o próximo, a pegar na cruz dos outros nem que fosse por breves instantes, tenho a certeza que para além de nos tornarmos seres humanos melhores, ficaríamos mais perto de outras realidades e de ter novas experiencias construtivas e fortificantes para usar em alturas da vida mais difíceis.

 

Podemos começar com pequenos actos de caridade, como o abrir de uma porta ou o estender de uma mão e não existe só o povo sírio, mas falo neles porque são quem precisa de todos nós na actualidade, quanto mais não seja da nossa compreensão. É mais fácil ver os problemas longe de nós, manter o nosso conforto do que procurar problemas, mas não gostaríamos nós que alguém nos desse auxílio e abrigo se estivéssemos longe de casa?

Acho que devemos meditar sobre estes assuntos, pelo menos eu vou!

 

"Estende a mão ao pobre, e serás plenamente abençoado. Que a tua generosidade se estenda a todos os seres vivos, e não negues a tua atenção aos mortos. Não evites aqueles que choram, e sofre com os que sofrem. Não tardes em visitar um doente, porque assim atrairás a sua amizade. Em tudo o que fazes, lembra-te do teu fim, e jamais pecarás."

Eclesiásticos 7,32-36

 

 

Abraço,

Marco